Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2007

Volenti non fit injuria

Passe o ar pseudo intelectual que este título possa conferir a este pequeno pedaço de mim… nada como esta expressão para ilustrar o que nestes dias me paira por dentro. Numa tradução livre, volenti non fit injuria quererá dizer que não se pode injuriar aqueles que consentem a injúria. Do mesmo modo, não se podem arrastar pessoas que não querem ser levadas.

Pois, nestes últimos dias tenho ouvido (e tenho-ME ouvido) desculpabilizar acções de alguém com o comportamento dos outros. “Ele não queria mas foi incitado… foi levado a…”. Questiono-me se o facto de constantemente desresponsabilizarmos alguém não leva a que esse alguém se sinta sem responsabilidade pelas suas acções... pelos danos que causa aos outros e também a si… pelas nódoas negras familiares que doem, escurecem mas não saram porque não se dá tempo ao processo e se voltam a repisar…   
 

Em última instância, a capacidade de decidir (o ideal do livre arbítrio) é algo só nosso. Temos capacidade de escolher entre vários caminhos possíveis. Por vezes, os que nos oferecem um bom pavimento, condições amenas de viagem e um meio de transporte célere não são aqueles que deveríamos escolher, quer porque se transformam em vias tempestuosas quer porque nunca nos ensinarão o que de facto seria importante aprender.

Se não os escolhermos, nunca saberemos. Se escolhermos alguns, voltamos famintos e envergonhados. Se optarmos por outros, ficaremos invariavelmente perdidos em circuitos labirínticos.  E os gritos de ajuda? Quem os pode ouvir agora?
 

Influências sociais? Familiares? Do dito grupo de pares? De uma sociedade consumista no pior dos sentidos? Certamente que sim, a ninguém foi conferida esta imunidade… 

Capacidade de escolher? Decisões pensadas e fundamentadas? Saber pensar por si? Inteligência para preferir um a outro caminho? Urge fomentar estas competências, esquecidas por aí… De facto, só se deixa conduzir quem não vislumbrar vários caminhos.   

 


Ou então… tudo é tão complexo que me atropela e me deixa sem pinga de ar…

(pode ser mais isto que tentei dizer…)

sinto-me: em ebulição
posted by mrafiki às 23:32
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Mara Pereira a 6 de Fevereiro de 2008 às 19:01
olá, na realidade tudo se torna mais fácil quando conseguimos afastar a mentalidade que se foi criando em nós por um conjunto de elementos que nos vão influênciando desde o dia em que nascemos. O caminho certo é aquele que nos é dado pela nossa intuição, essa sim a nossa essência.
beijos :)
De ArTeC a 11 de Maio de 2009 às 23:00
Sim, é verdade, estou aqui a publicitar a nossa peça intitulada: NU.

6as e sábados às 22h no Bar Novo da Faculdade de Letras de Lisboa. Reservas: 221 799 0530.

Porque gostamos de letras e de nos descobrirmos!

Saudações Teatrais! =D

Comentar post

.pedaços de mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Volenti non fit injuria

. De súbito….

. Natalices...

. Diferenças

. Egos...

. Neuras de domingo...

. The coming back

. Coimbra

. Porque há pessoas que nun...

. Portugal,Portugueses

.arquivos

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds